Júlio Santos

Versão completa: Então e o transporte de Droga?
Está de momento a ver uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Fiquei atónito! Já li imensas coisas que me deixaram sem fala, paralisado por momentos, mas esta deixou-ma assim.

Isso mesmo, se não perceberem nada do que eu escrevi é porque ainda estou no meu perfeito juízo.

A GNR vai tratar, cuidar, escoltar, guardar e sabe-se lá mais o quê “Carrinhas de Tabaco”. Exactamente o que vocês leram; os nossos impostos que serviriam para suportar meios de controlo de transito, crimes contra os cidadãos comuns vão servir para sustentar os armazenistas de tabaco que andam a ser muito roubados e inflacionaram o Relatório de Segurança Interna.

Sejamos sérios!

Já morreu alguém num assalto às carrinhas de transporte de tabaco?

Quantos Agentes de Segurança Privada, Idosos, Emigrantes e demais cidadãos deste País foram alvo de criminalidade violente com mortes em 2008?

O que vai fazer o Comando Geral da GNR e/ou o Ministério da Administração Interna quanto a isso?

Será que os armazenistas de tabaco já ouviram falar em Segurança Privada?

Quais são os requisitos para ser empregado de um destes armazenistas, saber conduzir?

Será que os Senhores Armazenistas de tabaco já ouviram falar em consultoria de segurança?

Quantos elementos da GNR vão estar à porta de cada Ourivesaria?

E das farmácias?

E nos Cabeleireiros?

E nos restaurantes?

Para terminar a caricaturar, porque este decisão só pode ser uma caricatura da segurança que se pretende: Quantos elementos da GNR vão assegurar a segurança do transporte de Droga (seja ela qual for) no nosso território?

Esta não lembrava ao “diabo”; GNR a guardar carrinhas de transporte de tabaco!?

É caso para dizer como o meu amigo Carlos Areia "Eu quero Voltar para a Ilha"!
Pois é Júlio é a isto que sempre me referi.
Onde existe monopólio de muitos milhares de Euros os empresários para salvaguardar os seus interesses vão passar a emitir contratos com o próprio estado pois a segurança privada neste pais está desacreditada.
Ainda que seja apenas tabaco os empresários vêm apenas a policia ou a guarda a alternativa mais viável pois estes têm maior capacidade de dissuasão pois estão bem equipados com os meios que se pretendem dissuásivos.
Sem os meios necessários para o exercicio dos profissionais de segurança privada o negocio da segurança é um negocio á partida limitado.
Por isso e mais uma vez insisto com os meios de comunicação via rádio e as armas.
A formação nestes dois elementos completam um quadro perfeito para que o negocio da segurança possa crescer.
Um abraço
Vitor Sénico
o aeroportuario
Olá Vitor

Como sempre estamos em desacordo quanto às armas.

Importa lembrar os menos atentos que qualquer Agente de Segurança Privada pode, enquanto cidadão, ser detentor de uma arma e utilizá-la no pressuposto legal da legitima defesa, como aliás, repito, qualquer cidadão.

O que os ASP não podem é ficar a pensar que por terem a profissão que têm, se andarem armados, podem fazer uso dessas de qualquer maneira.
Senão vejamos:
- Ter arma e só usar para defesa pessoal, nos termos da actual Lei (legitima defesa), não produz qualquer efeito prático nos pressupostos da pretensão da maioria dos casos dos ASP que é exibir a arma constantemente;
- A formação imposta por Legislação que se apresenta defeituosa em todas as frentes, torna-se num bom indicador de que se houvessem armas pelo meio, as coisas não seriam diferentes neste capítulo;

Sou contra a concorrência desleal provocada pelas forças da Autoridade nestes casos. Importa realçar que o MAI está a comercializar um serviço prestado por elementos equipados formados e mantidos por quem paga impostos, apenas na salvaguarda de alguns empresários que comercializam um produto mais ou menos ilegal em determinadas circunstâncias.

Que esta é uma área da Segurança Privada, não me oferece dúvidas. Todavia, na minha modesta opinião não são precisas armas, é preciso é planeamento e alguns cuidados prévios.