Júlio Santos

Versão completa: O Ouro e os Bandidos
Está de momento a ver uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
Pode ser especulação estabelecer uma relação causa efeito entre os assaltos diários a ourivesarias e a proliferação de lojas de compra de ouro à peça em Portugal.

Este tipo de lojas cresce nas grandes cidades do país, tal abutres a alimentar-se da ruína das economias familiares dos portugueses. Muito delas amealhadas ao longo dos anos, transformadas em ouro, quando este estava a preços razoáveis e o crédito (especialmente o dos cartões) não era correctamente contabilizado no orçamento familiar mensal.

Decerto, duas coisas vão acontecer: um dia deixará de haver ouro com abundância nestas condições para vender, no caso comprar pois os portugueses já pouco mais terão que os dedos; as ourivesarias, com tantos assaltos, também tendem a precaver-se mais e/ou fechar os seus negócios.

Um cenário previsível é estas lojas tornarem-se em alvos apetecíveis dos agora assaltantes de ourivesarias fechando assim um ciclo de: rouba, vende, rouba.

Entretanto, quer portugueses em dificuldades económicas, quer comerciantes há anos no mercado, vão ficar sem o seu ouro e sabe-lo derretido e transformado em barras que serão compradas por investidores que possuem verbas disponíveis conseguidas vá-se lá saber como.

Importa referir que nos últimos 10 anos o ouro valorizou 500% esta é a forte razão pela qual os lavadores de dinheiro se tornam potenciais compradores de ouro proveniente destas casas de compra de ouro a 2/3 abaixo do valor de mercado.