Júlio Santos

Versão completa: Voluntariado vs Profissionalismo II
Está de momento a ver uma versão reduzida do nosso conteúdo. Ver versão completa com o formato adequado.
No seguimento do que referi na parte I deste tópico e do que diz o Zé Júlio, não há dúvida de que o sistema caminha para o profissionalismo. Nunca foi minha idéia dizer o contrário, até porque como referi mesmo os voluntários hoje em dia me dizem que a criação de um sistema misto definido e apoiado na Lei (porque na prática já hexiste, com os assalariados- condutores, operadores de centrais; e mesmo equipas de intervenção permanente de bombeiros já funcionam, etc...), é o caminho a seguir. Não podemos é jogar fora o conhecimento, dedicação e capital humano e material existente.
Claro que muitos B.V's vêem isso como uma perda de poder e influência, mas isso são guerras de protagonismo e políticas. O voluntáriado nos bombeiros/protecção civil deve sempre existir até como forma de complemento e de accção cívica dos cidadãos. Em Portugal a dádiva de sangue não se paga, mas em certos países sim. O voluntariado junto de ONG´s (misericórdias, CAIS, ABRAÇO, Porta amiga, CERCIS é uma mais valia imprescindível). A acção cívica é um espelho do País que não aparece nas notícias se não esporadicamente.
Esta questão do voluntariado penso que está resolvida, será sempre útil, bem vindo e necessário.
Vamos então abordar o profissionalismo. Temos dinheiro para o pagar? Temos dinheiro para o equipar? Temos quadros para o dirigir?
Se o esvair do interior, como refere o António Perna se faz notar no voluntariado, no priofissionalismo poderá ser mais uma forma de criar emprego em zonas mais remotas.
Se no voluntariado se pode contar com muito apoio popular, no profissionalismo, só através do mecenato se poderá efectivamente recolher verbas (já nem todas as pessoas estaão dispostas a contribuir com donativos, quotas ou ir a "bailes/touradas" para apoio os bombeiros ("a Câmara/Governo que lhes dê o dinheiro", que é para isso que eu pago impostos), além do Orçamento Geral do Estado e Orçamento das Autarquias.
Terá de se fazer então uma pedagogia para evitar perder fundos da sociedade civil (seja lá o que isso fôr).
O apregoado imposto municipal para os bombeiros como é defendido por certos membros dos bombeiros, será bem visto pelo beneficiários da verba, mas os munícipes talvez não tenham a mesma idéia. Sugiram formas de financiamento. Em breve acrecentarei uns dados a este tema.