Júlio Santos
Pré-Hospitalar - Começou a mudança? - Versão de Impressão

+- Júlio Santos (http://www.juliosantos.net/forum)
+-- Fórum: Artigos da responsabilidade do Editor e seus Convidados (http://www.juliosantos.net/forum/forumdisplay.php?fid=9)
+--- Fórum: Artigos da responsabilidade do Editor e dos seus convidados (http://www.juliosantos.net/forum/forumdisplay.php?fid=19)
+--- Tópico: Pré-Hospitalar - Começou a mudança? (/showthread.php?tid=51)



Pré-Hospitalar - Começou a mudança? - Júlio Santos - 12-02-2008

O presidente do INEM, Luís Cunha Ribeiro, vai ser substituído porque a Ministra da Saúde, Ana Jorge, aceitou o seu "lugar" quando este o colocou, como mandam as regras, à disposição da nova Ministra.

Dos muitos comentários que ouvi sobre o assunto, retive o do representante dos Bombeiros Profissionais. Disse o Sr. Curto que Cunha Ribeiro tinha sido um bom presidente, mas para o INEM. Dando a entender que o presidente, agora de saída, teria prestado um mau serviço à pré-emergência. As razões apontadas para esta afirmação seria que o mesmo não tinha sido um elemento de diálogo com as outras "forças" que fazem parte dessa missão como por exemplo os Bombeiros, que não são os únicos, (ao contrário do que pensam algumas mentes).

Ponderei sobre estas declarações, e concluí que concordo com elas. Porém, vou mais longe. Garantidamente, as causas pelas quais a pré-emergência está tão mal não podem ser apenas da responsabilidade de uma pessoa. Questiono-me se não seria também de substituir e rapidamente os outros dois representantes mais interventivos; ou seja o próprio Sr. Curto e o Sr. Duarte Caldeira.

O Sr. Curto porque, como lhe competia, não soube acompanhar a ideia do ex-presidente do INEM em profissionalizar as equipas de prestação de socorro nos Bombeiros. O que acabava com os amadorismos a que recentemente assistimos e tanto nos envergonhou.

O Sr. Duarte Caldeira deveria ser afastado porque olha demasiado para o seu umbigo, esquecendo-se que existem pessoas e necessidades para além de algumas das Associações de Bombeiros que ele defende mesmo quando está perante situações indefensáveis.

Os erros cometidos pelo INEM foram assumidos com a demissão do seu presidente e os dos Bombeiros, são assumidos por quem? Ou será que consideram que não houve erros?

Para a prestação de socorro em Portugal melhorar e não só no pré-hospitalar, tem de existir vontade de investir, em recursos técnicos e também em novas mentalidades e conceitos.



RE: Pré-Hospitalar - Começou a mudança? - António Perna - 12-02-2008

Companheiro Júlio e outros
O «camarada» Presidente da Liga Dr. Duarte Caldeira está de saída com as eleições para a Direcção em finais de 2008. Já transmitiu a sua não recandidatura (já se sabe po aí para onde vai, quiçá com o apoio do Padre Milícias).
O «camarada» Curto, já tive oportunidade de lhe dizer isto pessoalmente, tem de se esclarecer -ou é Sapador e pode ser presidente da Associação dos Bombeiros Profissionais ou, em alternativa, é Presidente dos Bombeiros Voluntários de Carnaxide.
Comentários adicionais só em horário nobra


RE: Pré-Hospitalar - Começou a mudança? - António Perna - 18-03-2008

Amigos e Companheiros
Quero colocar todos os leitores destas matérias a reflectir um pouco uma vez que, há dois meses atrás toda a minha gente falava de Alijó e de repente, desapareceu o assunto.
Fiquem sabendo que o Codu para um acidente a 400 metros dos Bombeiros de Samora Correia chamou os Bombeiros de Almeirim. Consequência- uma vítima mortal (de Almeirim a Samora Correia são 48 Kms).
Alguém desenvolveu este assunto?
Porque será?
Será que politicamente a gravação de Alijó deu um jeitinho para correr com o Cunha Ribeiro?
A vida tem destas coisas pelo que, como diz o povo «pé ligeiro e olho vivo»
Abraço
A.Perna


RE: Pré-Hospitalar - Começou a mudança? - António Perna - 19-03-2008

Companheiros e amigos
Na Madeira do Alberto João os Bombeiros resolveram associar-se numa empresa de prestação de serviços no que diz respeito ao transporte de doentes ( o socorro está fora do objecto da sociedade). Para já envolve sete Associações de Bombeiros e vão começar com 14 (insisto, catorze) ambulâncias novas.
Será que nos vários distritos do país não existirão responsáveis de Associações capazes de enveredar por uma situação análoga?
Na cidade de Lisboa há dezenas de anos que se fala disto, mas infelizmente imperam as quintas e quintais e, como consequência disso, todos perdem. As empresas privadas de ambulâncias agradecem o facto.
Solicito comentários urgentes uma vez que no país e, sobretudo, nas grandes cidades este assunto está na ordem do dia.
Para a semana teremos sobre esta matéria novos desenvolvimentos.
Boa Páscoa
A.Perna