Este fórum usa cookies
Este fórum utiliza cookies para armazenar as suas informações de login se estiver registado, e a sua última visita ou não. Os Cookies são pequenos documentos de texto armazenados no seu computador. Os cookies criados por este fórum só podem ser usados neste site e não representam nenhum risco de segurança. Os cookies deste fórum também acompanham os tópicos que você leu, e a última vez que os leu. Por favor confirme se quer aceitar ou rejeitar estes cookies por definição.

Um cookie será armazenado no seu navegador, independentemente da sua escolha, para prevenir que esta pergunta apareça novamente. Você será capaz de alterar as suas definições de cookies a qualquer momento usando o link no rodapé.

Avaliação do Tópico:
  • 0 voto(s) - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
As Praias e a Segurança
#1
No fim-de-semana de 23 e 24 de Maio morreram seis pessoas nas praias portuguesas. A maioria das vítimas era jovem.

Esta constatação é preocupante e muito similar à dos acidentes de automóvel. Proporcionalmente os jovens são as vítimas mais numerosas.

Claro que a inconsequência inerente à idade é um factor preponderante para o desfecho destes acidentes, mas não podemos omitir a ausência de educação em segurança nas escolas.

O nosso país não tem ameaças de monta. Logo, a componente segurança não faz parte da educação das crianças e jovens. É verdade que alguns currículos escolares já incluem matérias que preconizam a segurança, mas ainda são muito deficitários.

Os próprios pais ainda crêem que “essas coisas” só acontecem aos outros ou então são sensacionalismos de algumas televisões e jornais, esse é o motivo pelo qual também facilitam, quer na educação, quer na preocupação e acompanhamento.

Precisamos urgentemente de dotar o sistema de ensino de currículos adequados aos perigos que espreitam as crianças e jovens do nosso país.

Voltando ao tema da “segurança nas praias”, importa que os responsáveis assumam as suas responsabilidades. Não só nestas mortes como em outras que, a manter o conceito de “época balnear”, vão acontecer por esse Portugal fora neste e nos próximos anos.

Quando é que deixamos de ter “épocas” para tudo? É época dos “fogos”, é época “balnear”, época disto, época daquilo. Quando deixarmos de ter épocas, vamos passar a ter mais segurança, vão morrer menos pessoas e ficarem menos feridas.

Quando é que os responsáveis entendem que as épocas, ao contrário do que eles defendem, custam muito mais ao país a longo prazo do que assumir que tomar medidas preventivas todo o ano?

Um país com um clima ameno na maior parte do ano, a “época balnear” é todo o ano e a “época dos fogos” também, apenas se intensificam no verão. Vamos recordar as autoridades que se fazem queimadas todo o ano, que as florestas estão mal tratadas todo o ano, que o mar e o sol estão lá todo o ano.

Apenas como apontamento recordo que no nosso país no primeiro dia do ano, “vão a banhos” de mar milhares de pessoas de norte a sul.

No caso concreto das praias, entre militares e bombeiros tem de forçosamente existir segurança todo o ano. Sugiro que os concessionários sejam retirados deste processo. Estes empresários existem para explorar instalações de hotelaria não para efectuar análises de risco nem combatê-lo. Para isso existem as entidades competentes: Marinha e Bombeiros.

Na minha opinião é à Marinha e aos Bombeiros em conjunto, coordenados pelos serviços de protecção civil a quem compete garantir a segurança nas praias durante todo o ano.

Em alternativa, resta ao comum cidadão a GNR. Pode ser que esta Instituição militar crie a especialidade de Nadadores Salvadores e aí vai ser o habitual “ai Jesus credo” de quem agora tem essas responsabilidades. Lembram-se quando foi dos GIPS?
Sou, com cordiais cumprimentos
Júlio Santos
Responder


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)