Este fórum usa cookies
Este fórum utiliza cookies para armazenar as suas informações de login se estiver registado, e a sua última visita ou não. Os Cookies são pequenos documentos de texto armazenados no seu computador. Os cookies criados por este fórum só podem ser usados neste site e não representam nenhum risco de segurança. Os cookies deste fórum também acompanham os tópicos que você leu, e a última vez que os leu. Por favor confirme se quer aceitar ou rejeitar estes cookies por definição.

Um cookie será armazenado no seu navegador, independentemente da sua escolha, para prevenir que esta pergunta apareça novamente. Você será capaz de alterar as suas definições de cookies a qualquer momento usando o link no rodapé.

Avaliação do Tópico:
  • 0 voto(s) - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A crise económica versus insegurança
#1
Muitos académicos, ligados à segurança, já dissertaram sobre o tema: o reflexo da primeira crise económica do século XXI nos factores de insegurança.

De uma forma despretensiosa, no inicio da crise em Junho, de 2007, neste mesmo Fórum sob o tema “A insegurança social ao nível mundial” abordámos este fenómeno.

Porém, como todos aqueles que estudam a segurança, não tivemos a percepção da real situação nem do impacto que a denominada crise económica, iria ter no dia-a-dia dos cidadãos de cada país.

No caso português, como era esperado, estamos a ser alvo de factores associados à criminalidade organizada mundial e a factores internos intrínsecos ao reflexo da vivência diária.
No caso da criminalidade de origem externa foram escolhidos preferencialmente dois alvos. A região do Algarve, pela proliferação de casas desabitadas grande parte do ano e as que estão ocupadas todo o ano são-no por pessoas idosas, com rendimentos acima da média europeia e que escolheram esta região pelo seu clima e também pela, até agora, segurança do país. Outro alvo em Portugal é o ouro. Factos históricos indicam Portugal como um dos maiores possuidores, quer de reservas quer de utilizadores deste ambicionado e cada vez mais valioso metal.

Todavia, existem outros factores de insegurança a que todos devemos estar muito mais atentos, pois os seus alvos não são bens, são pessoas.

Referimo-nos à segurança rodoviária.

Nesta matéria, os políticos deixaram a sua macabra marca ao extinguirem a Brigada de Trânsito da GNR, um dos melhores conjuntos de profissionais na prevenção de acidentes de viação na Europa senão no mundo.

Os cidadãos, devido à crise económica, fazem o restante para aumentar, não só o número de acidentes, mas, mais grave do que isso, os resultados expressos no aumento desmesurado de feridos graves e mortos.

A ausência de visitas às oficinas como factor preventivo, mantendo apenas as de factor correctivo estritamente necessárias a que a viatura circule, associadas às faltas aos centros de inspecção, o não pagamento dos seguros obrigatórios, o cancelamento dos facultativos e o natural envelhecimento da frota automóvel do país – por falta de investimento – encaminha-nos para um natural aumento do número de acidentes de automóvel e consequentemente dos seus resultados.

As fiscalizações têm apertado. Não pelas motivações correctas, mas como forma de financiamento dos meios policiais o que conduz a uma forma perversa da relação: fiscalizador/fiscalizado. Pois este último como sabe que o interesse do fiscalizador é a verba da multa, paga-a (quando consegue), mas mantém os factores de insegurança da sua viatura colocando assim em risco não só os que a utilizam, mas também aqueles que com ela se cruzam na estrada.

A história diz-nos que as crises económicas conduzem a uma melhoria significativa dos modelos de vida das pessoas, conquanto esses relatos omitem é o preço a pagar por essa suposta evolução e no caso da presente crise, ainda estamos no princípio do saldar da factura. Estejamos pois todos atentos e preocupados com a nossa segurança que é um bem extremamente necessário para a natural evolução, quer do homem enquanto indivíduo, quer deste enquanto membro de uma sociedade mesmo que seja num formato nos antípodas daquela que conhecemos hoje.


Ficheiro(s) anexado(s) Miniatura(s)
   
Sou, com cordiais cumprimentos
Júlio Santos
Responder


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)