Este fórum usa cookies
Este fórum utiliza cookies para armazenar as suas informações de login se estiver registado, e a sua última visita ou não. Os Cookies são pequenos documentos de texto armazenados no seu computador. Os cookies criados por este fórum só podem ser usados neste site e não representam nenhum risco de segurança. Os cookies deste fórum também acompanham os tópicos que você leu, e a última vez que os leu. Por favor confirme se quer aceitar ou rejeitar estes cookies por definição.

Um cookie será armazenado no seu navegador, independentemente da sua escolha, para prevenir que esta pergunta apareça novamente. Você será capaz de alterar as suas definições de cookies a qualquer momento usando o link no rodapé.

Avaliação do Tópico:
  • 0 voto(s) - 0 Média
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
A Legionella
#1
Não sou gestor, mas, como diz o nosso povo que tanto gosto de citar: “falo com eles”. Vem esta pequena introdução a propósito do recente surto de Legionella.

Está provado que esta bactéria se desenvolve na maioria dos casos em condições de deficiente e/ou inexistente manutenção em sistemas de refrigeração de água, uma técnica muito utilizada, por exemplo, nos sistemas de ar condicionado.

Em meados de 2010, quando em Portugal se começaram a sentir os indícios da já famosa crise económica de 2008. Os Gestores iniciaram um conjunto de ações para conter os custos operacionais. Cortes esses, como sempre e por esta ordem ocorreram nos seguintes setores: segurança, limpeza, manutenção. Aqueles que aos Gestores parecem não ter “retorno” e na maioria dos casos com custos considerados elevados.

Vejamos se é assim!?

Redução de custos com: Segurança - seja a preventiva ou a reativa é sempre o setor mais apelativo para os Gestores de “números de balanço” atuarem. Por regra esquecem-se dos efeitos que a falta da segurança tem nos ativos e passivos de uma empresa graças à sua transversalidade na missão da empresa.

Limpeza - A redução de investimento nesta componente conduz não só a um aumento dos riscos de segurança, mas a estes acrescem os de saúde dos Trabalhadores. Se ainda induzirmos aqui a máxima: “comportamento gera comportamento”, então temos aquela imagem fácil de obter em espaços onde trabalham muitas pessoas: “se quando entro o espaço está sujo…por que razão tenho de o deixar limpo quando sair”?

Manutenção – este caso é mesmo aquele que considero o mais complicado. Esta “redução de custos”, no limite, como ficou provado com este caso da Legionella em fábricas da área de Vila Franca, é mesmo muito grave. Afeta todos os que se relacionam com a empresa (stakeholders), a sua missão e valores. Ora, quando se atinge o nível de falta de manutenção que se atingiu, corre-se o risco de afetar todo o tecido económico duma região.

Este surto pode vir a ser considerado pela justiça um crime ambiental. Mas acima de tudo é um crime contra as pessoas e património. Ambos dos mais púnicos no nosso Código Penal.

Se não forem capazes de mais, pede-se apenas aos nossos Gestores que ao primeiro sinal de dificuldade, não optem por reduzir os investimentos nestes três setores. Essa decisão é tão errada que pode conduzir à total destruição da empresa que julgam estar a defender, como poderá ser o caso daquelas que vierem a ser responsabilizadas/penalizadas pelo recente surto.
 
Sou, com cordiais cumprimentos
Júlio Santos
Responder


Saltar Fórum:


Utilizadores a ver este tópico: 1 Visitante(s)